O MASSO - ROB

Assunto(s) relacionado(s): Philippe Souchard

 

 
Ph. E. SOUCHARD
 
 
BASE TERRESTRE B-24 – DISTRITO GERAL DOS ASSUNTOS CRIMINAIS
JANEIRO DO ANO 2110
- Sente-se, Inspetor Principal, você pode fumar um dos seus horríveis charutos de
Trantos, se desejar.
Alphan desaba sua grande carcassa na poltrona que lhe é indicada e suspira
interiormente. Se suas relações com seu superior, o Comissário Geral Loockeed eram
sempre desprovidas de qualquer hipocrisia, ele sabia reconhecer quando este
projetava confiar-lhe um novo caso difícil.
- Em que pé está sua investigação sobre a transferência ilegal de fundos entre o
planeta-mãe e Hyperos 2?
- Praticamente encerrado, Senhor, os exportadores siderais retiraram sua queixa por
malversação, quando eu descobri que aquilo encobria, na realidade, um tráfico de
Herba Santa, a droga em uso por lá. Mas já sei o suficiente para transmitir o dossier
aos narcos-op. Eles mesmos já estavam na pista.
- Excelente, isso lhe deixa então um pouco de tempo livre.
- Sim, Senhor, para aproveitar de oito dias de pesca em Alcor, parece que as enguias
elétricas, lá, são do tamanho dos espadões.
- Dizem também que as nativas de lá são muito bonitas.
- É sempre mais agradável comer um peixe grelhado em companhia de uma graciosa
mulata, Senhor.
- Certo, felizardo, mas antes de partir, eu gostaria que você metesse seu nariz em um
assunto que me incomoda. Ouviu falar do assassinato do Senador Alexis?
- Como escapar? Os holo-infos nos enchem os ouvidos há vinte e quatro horas. Ele foi
assassinado por um cinésio amante da sua mulher?
- Exato, seu colega Exon só precisou de quatro horas para esclarecer a coisa e é isso
mesmo que me incomoda. Tudo parece simples demais. O Senador teve o pescoço
quebrado, no consultório mesmo do cinésio, que pretende não ter nem tocado nele.
Ora, a menos de ser um perfeito imbecil, que interesse teria ele em matá-lo no seu
próprio consultório?
- Uma briga por causa da mulher? Arrisca Alphan.
- Isto parece excluído. O Senador ignorava tudo das infidelidades de sua esposa, ou
não ligava. Era muito ocupado, você sabe que ele era um dos cem principais
personagens do Império. Por outro lado, não há nenhum sinal de luta.
Você tem ainda como amigo aquele cinésio-arcaico ao qual você me mandou?
- Sempre, por quê? Continua mal da coluna vertebral?
- Que o além me preserve! Ele fez em uma consulta o que os masso-robs não haviam
feito em cem. Isto dito, é uma experiência estranha, na aurora do nosso século XXII,
fazer-se tratar manualmente por um terapeuta, por mais dotado que seja ele.
Eu gostaria que você tomasse conhecimento do dossier e que você falasse com seu
amigo. Se encontrar alguma coisa interessante, eu repassarei o bebê ao Inspetor Exon,
para não estragar suas férias.
2
Bob Sainton, o assassino presumido, não tinha ares de um idiota. Quando Alphan
penetrou na bolha de isolamento magnético instalada pela polícia no próprio local de
seu trabalho, ele dedilhava calmamente o teclado do advogado eletrônico que haviam
posto a sua disposição. Já havia estabelecido um relatório detalhado sobre suas
relações com Olfair, a mulher do Senador, e completava a lista de suas outras
conquistas.
Alphan ficou surpreso, o aspecto banal do personagem não fazia dele um Don Juan.
Procurava-lhe um qualificativo. Asséptico parecia-lhe mais adaptado. O cinésio era
insípido como os apresentadores de publicidade holo, fiéis gravadores humanos para
consumidores crédulos. Mas, afinal, era de bom tom que ele procurasse provar que
suas relações com as mulheres eram de caráter sexual e não passional. Seria preciso
verificar tudo isso. Pensou em suas férias comprometidas. Por outro lado, o cinésio
não lhe revelou nada que já não soubesse. Aparentemente, ele não tirava vantagem
alguma do crime que, não somente, arruinava sua vida profissional mas era capaz,
principalmente, de enviá-lo à prisão no asteróide Baixa-Terra por longos anos.
Ele insistia em afirmar que estava respondendo a uma chamada em holo-visão no
momento em que o Senador havia sido morto, e jogava a responsabilidade sobre seu
masso-rob.
Vagamente deprimido, Alphan empreendeu a visita aos locais profissionais. O lugar
fervilhava de atividade, numerosos técnicos do lab-central ocupavam-se em levantar
os últimos indícios.
Encontrou sem dificuldade o engenheiro robótico ocupado em auscultar, mais uma
vez, o masso-rob. Jovem e dinâmico, este lhe fez um relatório preciso, como ele os
apreciava.
- Trata-se, Inspetor, do último modelo lançado, o mais performante mas também o
mais complexo e ele se encontra em estado de catalepsia.
Alphan lança um olhar de desgosto sobre a dezena de pseudópodes afobados, de um
lado e do outro da mesa de massagem. O masso-rob parecia um polvo destinado a
uma decomposição rápida.
- Você quer dizer que ele está com defeito?
- Vamos, Inspetor, você bem sabe que a classe dos robôs-terapeutas é do mesmo nível
daqueles que pilotam as naves espaciais. Eles têm a capacidade de se auto-regenerar,
para os estragos menores, e alertam automaticamente sua unidade de fabricação em
caso de previsão de defeito grave. Não se pode fazer melhor.
Alphan se auto-censurou, não por passar por um ignorante frente a esse jovem
engenheiro visivelmente apaixonado por seu trabalho, mas por ter revelado assim sua
aversão pelas “máquinas” , como ele gostava de qualificar os robôs, qualquer que seja
sua função.
- Este masso-rob, prossegue o engenheiro, foi, sem dúvida alguma, vítima de um
conflito interno, mas talvez você prefira “estado de ânimo”, na sua interpretação das
três leis da robótica de Azimov, que constituem sua programação de base.
A primeira ordena-lhe que jamais faça mal a um ser humano; a segunda, que obedeça
às ordens que lhe são dadas, se isto não contradiz a primeira lei; a terceira lhe diz para
proteger a si mesmo, se isto não está em contradição com a primeira e a segunda leis.
No caso presente, existe, de toda evidência, conflito de interpretação entre a primeira
e a segunda lei, e ele, de certa forma, suicidou.
3
Aliás, eu verifiquei todos os registros de tratamento do cinésio pelos dois últimos anos.
Como todo cinésio moderno que se respeita, ele jamais toca seus pacientes. Como
poderia ser diferente, já que ele possui o modelo de masso-rob mais performante da
atualidade?
Tampouco houve tentativa de sabotagem do masso-rob. É teoricamente impossível
reprogramar-lhe uma intenção de fazer mal. As três leis são inscritas em todas as suas
funções vitais. Mas, por desencargo de consciência, eu verifiquei todas as seguranças
ditas primordiais. Elas estão em perfeito estado. Ninguém tentou violá-las.
- Tecnicamente, como foi que o Senador Alexis morreu?
- De uma luxação da segunda vértebra cervical. Parece que a ação foi suficientemente
forte e prolongada para provocar perturbações respiratórias seguidas de parada
cardíaca, ele já não tinha o coração em bom estado.
- O masso-rob teria podido executar uma falsa manobra?
- A priori, isto está excluído, eles são perfeitamente programados tecnicamente e
sobretudo em função da primeira lei: nunca prejudicar a um ser humano.
- Alphan prossegue: mas se supusermos que o cinésio ordenou-lhe essa manipulação
mortal, o masso-rob não poderia, teoricamente, efetuá-la, em nome dessa mesma
primeira lei, que tem prioridade sobre a segunda, que o obriga a obedecer. Além disso,
todos os dias robôs recebem ordens que não podem executar, em nome da primeira
lei, e isso não os coloca em catalepsia. Eles simplesmente não obedecem e pronto. E se
se trata de máquinas, perdão, de robôs de classe superior, eles explicam por que não
podem fazê-lo.
- É exatamente isso, Inspetor, é incompreensível. Agora, é sua vez de jogar. Se precisar
de mim, não hesite!
Não havia nenhuma ironia na voz do engenheiro. Alphan, que acabava de provar que
sabia mais sobre robôs do que queria deixar transparecer, deu-se conta de que iria,
efetivamente, precisar do seu velho amigo, o cinésio-arcaico. O interrogatório da viúva
infiel podia esperar.
Nenhuma sombra havia jamais obscurecido as relações que entretinham Alphan e
Hugo.
Ambos contavam a quarentena dinâmica e, embora fossem os dois amadores de
morenas rechonchudas, preferiam, frequentemente, reunir-se entre homens para
filosofar e analisar a situação política do Império.
Chegavam, invariavelmente, a sonhar com um mundo menos poluído, menos
robotizado, com um governo central mais democrático e mais humano. Chamavam a
isso refazer o mundo estilo “bate-papo de bar da esquina”.
Alphan não fazia mistério dos seus sonhos humanistas e isto já havia até prejudicado
sua carreira. Invejava seu amigo por este haver seguido até o fim de suas idéias,
praticando a profissão de cinésio-arcaico e tratando seus pacientes segundo princípios
que datavam do século vinte. Fora preciso coragem e ele estava contente em ver que a
reputação de Hugo não parava de crescer. Mas hoje sua visita era estritamente
profissional.
Encontrou o amigo ao mesmo tempo radiante e esgotado.
- Pareceria que você sai dos braços de uma fogosa insaciável.
4
- Foi sua última conquista que me chamou com urgência, porque você não a satisfaz.
- Não se canse, eu sou mil vezes mais atraente do que você e não o vejo nesse papel de
roda de socorro. Mas é verdade que não estou com cabeça para isso neste momento.
Hugo, eu gostaria que você examinasse o cadáver do Senador Alexis.
- Não brinque, Alphan, estou certo de que todos os seus técnicos do lab-central já
analisaram até o menor micróbio.
- É verdade, mas trata-se de vértebras e ninguém é mais qualificado do que você sobre
o assunto.
E ele resume a situação.
- Se seus especialistas já determinaram que a causa da morte é devida a essa segunda
cervical, eu não poderei dizer mais nada, principalmente com a rigidez cadavérica.
- Hugo, você e eu nos reservamos, talvez, alguma má vontade em aceitar nossa época
tal como é, mas ela tem, assim mesmo, algumas vantagens. Há mais de quinze anos
que nós sabemos perfeitamente conservar os corpos sem recorrer à congelação. Você
encontrará o cadáver do Senador tão quente como se ele tivesse morrido há apenas
um instante.
Quando os dois homens chegaram ao conservatorium, o cadáver já repousava na sala
de análise, como Alphan havia pedido. Encontrava-se ali o que se faz de melhor em
termos de material científico: scanners, projetores tridimensionais, palpadores
internos, analisadores moleculares e quantidade de outros instrumentos dos quais ele
mesmo e Hugo teriam sido incapazes de se servir sem a presença do técnico de
serviço.
O cinésio-arcaico explica-lhe o que desejava e começa seu exame.
As telas e os projetores holo animaram-se. Alphan identificou a coluna vertebral, em
seguida as vértebras cervicais que Hugo mobilizava lentamente, comparando-as com
os registros extraídos da memória do masso-rob. Ele não compreendia por que seu
amigo examinava com tanta atenção o conjunto do corpo nem por que ele insistia em
testar o ombro direito.
Ao cabo de uma hora de exame minucioso, Hugo levanta a cabeça e diz-lhe
simplesmente “non lieu”.
- Não entendi..?
- “Non lieu”, é uma velha expressão jurídica que data das épocas que temos pena de
não ter conhecido e que significa que não há motivo para perseguir o acusado. Na
minha opinião, meu colega e o masso-rob são inocentes. E você não pode suspeitar de
simpatia corporativista da minha parte em relação a eles... Examine atentamente as
projeções, começando pelos registros de vídeo do masso-rob. Nesse dia, o Senador
queixava-se de dores violentas no ombro direito e no pescoço, que o fizeram antecipar
sua consulta. O robô começou, como você pode ver, pela massagem e a mobilização
do ombro. O valor da dor nesse lugar diminuiu de 5 pontos, segundo os critérios
próprios a esse aparelho de registro e que eu não conheço. Mas ao mesmo tempo, os
captores da nuca anotaram um aumento da dor nesse lugar, de 10 pontos.
Observe agora o registro dos meus testes! Quando eu mobilizo o ombro direito, como
o masso-rob o fez, eu agravo, efetivamente, a situação da segunda cervical. Ela se
coloca em uma posição patológica idêntica à dos registros do masso-rob. É portanto
exatamento o que ele fez.
5
- Se entendo bem, diz Alphan, corrigindo uma coisa ele agravou uma outra, maldita
máquina!
- Exatamente, e é a ilustração da regra de globalidade que constitui um dos princípios
da nossa profissão de cinésio-arcaico. É preciso corrigir tudo ao mesmo tempo, ou
você se expõe a esse gênero de inconveniente.
Mas deixe-me continuar. Confrontado a essa situação, o último gesto do masso-rob foi
o de tentar fazer qualquer coisa no nível da nuca. Seu pseudopode ventral número 2
colocou-se sobre o pescoço, como você pode ver na gravação. Mas já era tarde demais
para ele. Ele estava bem em acordo com a primeira lei no nível do ombro, mas a
violava no nível cervical, fazendo mal a um ser humano. Então ele disjuntou.
O Senador encontrou-se com uma lesão agravada da sua segunda cervical, uma dor
muito aguda aumentada pela angústia provocada em seu pescoço pelo pseudopode
inerte e pela impossibilidade de fugir. Seu cardiologista dirá a você se, neste caso, é
normal que seu velho coração tenha sucumbido.
Menos de dez minutos mais tarde, eles tinham a confirmação do bom fundamento da
hipótese de Hugo. O Senador Alexis deveria submeter-se a um transplante total e um
coração artificial no mes seguinte.
O aperto de mão do Comissáiro Geral nunca fora tão caloroso.
- Você me tirou um rude espinho do pé, Inspetor, você sabe o quanto essas
investigações envolvendo personalidades políticas de alto escalão são perigosas para
nós, pobres policiais.
- Este assunto é original, Senhor, pois finalmente, não há assassino, mas duas vítimas,
o Senador e essa porcaria de masso-rob. Quando é que vamos nos livrar de todas essas
latas de titânio e de materiais compósitos?
- Não seja tão amargo, Inspetor, todos esses badulaques bio-eletrônicos que nos
implantaram, em você como em mim, para tornar mais eficientes os pobres humanos
que nós somos, permitem, às vezes, resolver investigações em tempo record.
Alphan não acreditava em uma só palavra, mas contentou-se em murmurar:
- Pode ser, pode ser ...
N.D.L.R. – Qualquer tentativa de assimilar o sistema nervoso automático do homem a um robô, qualquer desejo
de submetê-lo às regras dos mecanismos de defesa da RPG seria pura “função-científica ”.

Comentários

Enviar comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
Image CAPTCHA
 

SBRPG - Sociedade Brasileira de RPG

Apoiando o estudo e prática do RPG no Brasil.

Rua Georgia, 210 - Brooklin - São Paulo - SP
Tel. (11) 5044-0940  E-mail: sbrpg@sbrpg.com.br

SBRPG nas Redes Sociais

Whatsapp  (11) 9.7022-9868

Compartilhe