DE LIBERAÇÃO ARTICULAR A RESTITUIÇÃO DO MOVIMENTO

RUMO A UMA SINTESE ENTRE PROPRIOCEPTIVO DE INIBIÇÃO E PROPRIOCEPTIVO DE FACILITAÇÃO.

 

Ph.E. SOUCHARD
 

Os métodos de reeducação que merecem atenção são baseados em dois princípios neurológicos: o proprioceptivo de inibição e o de facilitação. Como tudo que rege nosso mundo fenomenal, essas abordagens são antagônicas e complementares A justo titulo o professor Perfetti, no congresso de Bergamo dedicado aos nossos métodos respectivos, afirmava que representamos as duas faces da mesma moeda. Cada uma dessas abordagens pode efetivamente pretender, a justo titulo, obter resultados naquilo que poderia, a priori, constituir o campo de aplicação privilegiado do outro.

Baseado no reflexo miotático inverso, a R.P.G, inibe os músculos alongados e facilita a contração de seus antagonistas complementares. Podemos então afirmar que suprimindo os freios musculares ou articulares, s contribuímos à restituição do movimento.

Apoiando-se sobre o reflexo miotático direto, o proprioceptivo de facilitação recria o movimento, e assim fazendo, inibe provisoriamente a função estática.

É também verdade que certos campos patológicos dependem mais do emprego de um ou de outro.

O proprioceptivo de inibição se direciona mais particularmente à hipertonia, ao encurtamento, à rigidez dos músculos da estática e à restrição da mobilidade articular então decorrente. Deve ser empregado de preferência em todos os problemas morfológicos ou articulares.

Em contrapartida, deve-se pensar imediatamente no emprego do proprioceptivo de facilitação em todos os casos de patologias neurológicas, e particularmente quando acompanhados de flacidez.

Tudo pareceria assim solidificado no melhor dos mundos cartesianos, cada qual se encarregando de cultivar seu terreno e ao mesmo tempo permitindo algumas incursões no terreno do vizinho.

É assim que a Reeducação Postural Global alem do fato de restituir os movimentos retirando os freios de qualquer ordem que sejam como já dissemos se aplica igualmente com sucesso, em patologias neurológicas “spastiques”, pois nesse caso, confrontamo-nos uma vez mais, à um problema de hipertonia.

 

Mas pode-se fazer melhor.

 

Para isso, é preciso examinar com mais atenção o que limita a ação do proprioceptivo de inibição e, no que nos concerne mais particularmente, da R.P.G.

Se soltar o freio de mão de um carro constitui um gesto preliminar a qualquer movimentação, isso não garante que saibamos dirigir. Em particular quando há dor, sabe-se que os mecanismos de defesa* alteram a morfologia e desviam o programa motor. O esquema corporal é modificado. Segue-se uma inaptidão para encontrar a posição morfológica correta ou para retomar o gesto normal mesmo se a causa irritativa foi removida de forma correta e durável.

É a razão pela quais nossas sessões de R.P.G. são complementadas por integrações estáticas ou dinâmicas, já pertencentes ao proprioceptivo de facilitação. Faltava-lhes ainda, até o presente, calcar melhor sobre o alongamento muscular ou a liberação articular, obtidos graças a nosso tratamento R.P.G. Todos os RPGistas sabem que o movimento global finalizado de alta velocidade constitui, em dinâmica, o alvo a ser atingido.

A finalização permite a escolha, conforme o caso, entre um gesto usual, profissional ou esportivo.

A velocidade garante que não existe mais “medo consciente ou inconsciente”.A globalidade e a tomada de consciência permite esperar, com o tempo, uma integração automática.

Não há utilidade em rever os meios que utilizamos para recuperar este movimento. Isso já foi exposto* e faz parte do ensino básico de R.P.G.

É preciso, entretanto redizer que não há integração possível se o incomodo persiste, e ainda com mais razão se houver dor. Não há nada a integrar que não tenha sido previamente corrigido.

Este é o ponto exato a que chegamos hoje.

É necessário, para se chegar à integração, lembrar com precisão dos diferentes componentes da deformação morfológica ou da lesão articular, que já corrigimos.

A integração deve incluir imperativamente a distorção contraria à lesão previamente existente, isto para todos seus parâmetros espaciais. Só nos resta então imaginar o gesto funcional exercendo o membro, segmento ou articulação no sentido inverso à posição patológica.

Tomemos um exemplo simples: uma 5a lombar está morfologicamente em espondilolistese relativa e em lesão de rotação, latero-flexão à esquerda. Alem disso a reequilibração permitindo escolher a postura de tratamento mais adaptado, provoca o surgimento de forte dor em flexão anterior. Após correção, a integração consistirá em pedir ao paciente em posição ereta, de se inclinar para amarrar o sapato direito.

Nestas condições, a integração dinâmica merece realmente o nome de movimento global puro finalizado.  

Comentários

Enviar comentário

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
Image CAPTCHA
 

SBRPG - Sociedade Brasileira de RPG

Apoiando o estudo e prática do RPG no Brasil.

Rua Georgia, 210 - Brooklin - São Paulo - SP
Tel. (11) 5044-0940  E-mail: sbrpg@sbrpg.com.br

SBRPG nas Redes Sociais

Whatsapp  (11) 9.7022-9868

Compartilhe